domingo, 8 de agosto de 2010

O dia de hoje

Meu dia até que começou bem: acordei na maior preguiça e fui visitar o filho de uma amiga na casa dos pais dela. O bebê tá com sete meses, ele é mto bonzinho, gordinho, esperto, brinquei, brinquei, só faltei rolar no chão.


Só que saindo dali vi que no meu celular tinham umas ligações recebidas de manhã cedo e que eu não tinha atendido. Retornei uma delas, e soube que a namorada de um amigo nosso, uma pessoa muito querida, foi reagir a um assalto e levou um tiro no peito, às sete e meia da noite de ontem.


A partir daí, morreu o dia pra mim. Claro que a violência do cotidiano me choca, claro que eu fico chateada e preocupada com isso, mas agora a violência bateu na minha porta. O crime não foi num bairro da periferia, foi numa rua que eu trafego todo dia. Podia ter sido eu, meu filho, qq um.


Eu não sou muito amiga da menina, talvez nem chegue a ser, pq o namorado foi morar em SP e ela tava indo tbm. Mas é uma pessoa mto querida, por quem eu tenho muito carinho (a gente gosta de quem faz bem pros nossos, né?), a ponto de me deixar sem graça o resto do dia todo.


O nosso amigo, que mora em SP, ficou sabendo mesmo antes dos pais dela, comprou uma passagem e veio correndo pra Belém. Tá daquele jeito que vcs podem imaginar.


E numa infeliz coincidência, ontem soubemos que a mãe do chefe do Leo, outro querido, foi atropelada e quebrou a perna. Hoje eu soube que a moça, qdo levou o tiro, ainda tentou dirigir pra fugir (o tiro foi à queima-roupa) e foi ela quem atropelou a senhora. Coisa de novela.


Aí eu to assim, hoje, querendo que o dia acabe.


beijos,


PS- não coloquei nomes e fotos pq, sei lá, fiquei com medo.

6 comentários:

Doutora Foligata disse...

Paola,
conforme eu fui lendo seu post, fui pensando no que te escrever.
Mas o final foi de baquear qq um ...que coincidência foi essa???!!! Cruz credo. Até me benzí.
Eu gosto de saber que o mundo é redondo só quando se relaciona a coisas boas!
Gostaria de poder lhe dizer algo bom e que mudasse essa tristeza toda, pena que eu não sei o quê.
Fica com Deus. Nessa hora, só Ele.
bjoo

• déia musso • disse...

Não tem coisa pior pra mecher com a gente do que violência.
A gente percebe mto próximo de nós tudo isso e comoça a dar 1843545 tipos de medo, eu sei!
Mas amiga, reza. Reza pelas pessoas, e pra tranquilizar seu coração e pela proteção dos seus queridos.

Melhoras a todos!

bzooo

Bianca Bueno disse...

Nossa, as duas histórias se cruzaram, que loucura. Nem coloca fotos e nomes. Que o Eterno os preteja...

Patty Magno disse...

Caramba amiga, vi no noticiário e pelo visto deve ser namorada do meu colega de MBA.
Tomara que eles fiquem bem, apesar deu ter visto que o caso é bem grave.

Janinha disse...

Nossa, que enrosco! Nunca imaginaria q os dois casos tivessem relação.
Mas espero, sinceramente, que ambas se recuperem, pois foram vítimas da violência que vivemos, direta ou indiretamente. muito triste, é pra tirar qualquer um da boa num dia assim.
Bjocas.

Narda Rafaela disse...

Eu ja sofri um sequestro relampago em Belém. Em julho de 2007.
E juro: na hora, pensei em diversas maneiras em como sair dali.
Hoje penso que foi Deus que colocou varios carros na minha frente e atrás, me impossibilitando de arrancar ou dar ré, porque, na hora, é o que a gente pensa: fugir dali!
Uma pena a violencia ter chegado a esse ponto em Belém.
Sinto muito pelo seu amiga.

Beijocas