domingo, 30 de janeiro de 2011

30/01 - dia da saudade

Eu tava bem sumida daqui, naquela fase da vida que a gente acha que não tem nada de interessante pra dizer. Então, quando não se tem nada pra dizer,melhor não dizer nada, né? (eu não sigo mto essa máxima, mas enfim, continuo tentando).
Até que soube que hoje é dia da saudade e fiquei pensando em tantas coisas que eu tenho saudade. Adoro listas, quem me conhece sabe, e aqui é o meu espaço pra isso.
Em primeiro lugar, sinto muitas saudades da minha mãe. Quem lê um pouquinho do blog sabe disso, nem sei se tenho coisas novas pra dizer.
Eu sinto falta da minha adolescência. Tem gente que não gostou da sua,que achou uma época horrorosa, uma época de beleza e moda duvidosas, época em que os rostos eram dominados pelas espinhas e os dentes por aparelhos de metal. Mas eu adorei. Eu tive espinhas, aparelho ortodôntico e óculos, mas adorava as aulas de inglês (pras quais eu ia a pé), passar a tarde na casa de amigas comendo e falando besteira, e depois, pra emagrecer, era só fechar a boca por uma semana e pronto, aquela calça voltava a fechar com a maior tranquilidade.
Na adolescência, meu armário era cheio de vestidos pras festas de quinze anos das amigas e pra pipoca da Assembléia no domingo. Era tudo muito divertido, e parece que os dias demoravam mais a passar.
Hoje os vestidos são pra festas de casamento (que eu adoro de paixão), aniversários de filhos das amigas, chás de panela e de bebê. E pra emagrecer precisa muito mais que uma semana sem comer pão.  
Mas pra mim, o mais importante é a saudade de uma época em que a gente podia confiar nas pessoas. Ou acha que pode. Qdo a gente cresce, infelizmente, os problemas ficam mais sérios e a maldade das pessoas é diretamente proporcional a magnitude do problema.  
Tenho saudade da época que eu era filha e não tinha que pagar contas, salário de empregada, fazer supermercado, chamar o encanador e o eletrecista. Long, long time ago. Até hoje sinto que eu não tenho esse dom pra dona de casa.
Saudades da época que eu tinha a família mais presente, mas qdo pais e avós morrem, isso acaba se perdendo um pouco se não for mto forte. 
Saudades de quando meu filho era bebê. Eu era mto nova qdo ele nasceu, minha mãe morreu pouco depois, não tinha equilíbrio, maturidade pra lidar com uma coisa tão fantástica como a maternidade. Acabei não aproveitando mto essa fase fofa que os filhos têm. Depois que tudo isso passou, hoje me considero uma mãe muito dedicada, não abro mão de nada pra ficar com o meu filho, mas tem épocas que não voltam. Agora, me resta aprender e usar como experiência pro próximo filho. Não digo recuperar o tempo perdido, pq eu e João Lucas somos mto próximos.
Saudade da minha época de noiva. Era mto legal discutir longamente sobre vestidos de noiva, decoração, bem casados... Quem não gosta disso? Até hoje colo nas noivinhas e dou um pitaco ou outro pq realmente morro de saudade e não resisto. 
Saudades de amigos que ficaram pelo caminho. A vida atrai pessoas novas maravilhosas, mas acaba afastando de outras que fazem falta.
Sinto falta dos restaurantes Okada, Miako, Wells, Supermercado Jumbo, pizzaria e pastelaria Mamma Mia,  Mesbla (e da lanchonete que tinha lá), comida da Biga (que cozinhava na casa da minha avó), viajar de carro com minha mãe, meu irmão e meu padrasto pelo Brasil, de ir pra Mosqueiro com mais frequência. 
De poder passar a tarde ouvindo música. Só isso, sem fazer mais nada, ou escrevendo minha agenda/diário.
E vc? Sente saudade de quê?

10 comentários:

Julia Fontelles disse...

Maravilhoso esse seu texto, impecável! Adorei!Bjs, Julinha.

MATTIZE disse...

Lindo, mais um texto escrito por você pra deixar a gente pensando em coisas gostosas num domingo. Parabéns.

Andréa disse...

Eu sinto uma baita saudade de mim.
Do que eu fui,do que eu pensei,do que eu senti.
Da minha adolescência nem se fala.
A mais linda época da minha vida.
Sinto saudade até do que eu não fiz.
Adorei seu texto,me fez pensar muito.
Um beijão querida.
Boa semana.

Janaína Bentinho! disse...

Puxa!Texto mara!Me emocionou e inspirou!
Bjooooca flor...

Jana do Rafa!

Adriana Alencar disse...

Olá!
Cheguei ao seu blog por acaso e gostei muito da qualidade dos seus textos.
Que interessante você sentir saudade da adolescência, a maioria das pessoas não o faz, até fica aliviada por ter saído dessa fase (e eu sou uma dessas). Eu sinto muitas saudades do Brasil, da minha família e dos meus amigos, de tomar chimarrão e comer churrasco, coisas que não se acha aqui na Grécia, e mantenho o blog para ficar sempre conectada com a terrinha e não esquecer o português.
Beijocas
Adri

Sra. Mari disse...

ultimamente tenho sentido muita falta da epóca em que eu nao precisava preocupar em perder 10 kg, de nao me preocupar com contas pra pagar no final do mês (ipva, agua, luz, etc).

Ai ai ... (Suspiro)

• déia musso • disse...

Nossa...existia Mesbla!!!!

Eu lembro...
ai, eu tenho saudades da Turma do Balão Mágico...rs

Linda semana!

Bezinhos nossos,

Déia e Murilo ♥

Luciana disse...

Paola, lindo post que me deixou pensando na vida e nas minhas saudades... no sorriso... na tristeza... bom demais poder recordar, ter sensações... beijos

Janinha disse...

Saudades... eu tenho várias, como vc. Sou um ser tão nostálgico... tenho saudade de cheiros, de momentos, de lugares, de palavras, de coisas - brinquedos, discos, livros - , de gente, de amigos, de parentes...

Acho que não daria pra contar nem num post... mas saudade é bom... mexe na memória, e faz a gente percerber que teve uma vida e que ela nos fez sermos o que somos... saudade é bom... e só tem em português, ahsuahsua.
Bjocas.

Karenzinha disse...

Meu Deus!!!
Sinto falta de tanta coisa, acho na verdade que sinto falta de mim...
Devo ter me perdido no caminho, pois me faltam muitas coisas, acho que não sou mais eu.
lindo texto