quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Enquanto outro post não vem


Repito as indicações do post anterior, mas com ilustrações, dessa vez:

O papo é o seguinte: marido e eu gostamos de comer, acho que já disse isso aqui. Então comida é um item mto importante da viagem. Não comemos qq coisa em qq lugar, mas isso não significa que tudo que comemos é caro e/ou sofisticado.
Quando decidimos fazer a viagem, começamos a pesquisar em blogs, sites especializados e conversas com os amigos sobre o assunto, onde poderíamos comer bem, sem pagar tão caro assim. Muitas dicas pegamos no Yelp, tomando cuidado pra selecionar restaurantes não muito distantes e com classificação de até $$, que achamos estar adequada para o nosso bolso.
E digo que em geral acertamos.
Três coisas bacanas de restaurantes nos EUA, especialmente em Orlando, que nos ajudam a economizar: 1ª) sempre tem cardápio infantil, com opções que variam entre 4 e 6 dólares e muitos ainda incluem o refrigerante ou suco. Esse cardápio ainda vem num papel super fofo, com lápis de cor, cheio de atividades para distrair os pimpolhos. 2ª) se vc pedir tap water, que é a água da torneira deles, super potável, é de graça. E vários restaurantes ainda trabalham com refrigerante em sistema de refil, ou seja, vc só paga o primeiro. 3ª) quase sempre o prato é antecedido de uns pãezinhos maravilhosos (e de gratis!) e/ou salada, o que nos permite pedir um prato menor ou dividi-lo.
O que é chato: o preço do cardápio não é aquele que vc vai pagar. Sobre ele ainda tem os impostos e o valor do serviço que varia entre 15 e 20%. Mtos garçons não tem salário fixo, então isso é super importante.
Mas vamos deixar de lero-lero e falar dos destaques da viagem.
1. Olive Garden: quem já assistiu The Big Bang Theory, deve ter ouvido a mãe do Howard falando que vai ao Olive Garden. É gostoso. Não é nada excepcionalmente bom, mas tbm não é caro, pelo contrário. O que eu mais gostei foi da salada que antecedeu a lasanha que dividi com o João Lucas e o minestrone que veio com o prato do Leo. Aliás, devo mencionar que a salada que veio pra mesa é a mesma quantidade da semana inteira aqui de casa. As duas entradas são deliciosas. A minha lasanha tbm tava boa, o prato do Leo nem tanto, mas ele pediu uma coisa estranha. É uma rede e tem vários pelos EUA



2. PF Chang: Mais caritho, mas muito, muito, muito bom. Na verdade, é mais caro, mas não é carésimo. Aliás, vendo pela relação custo x benefício, é até bem acessível. Eu e Leo pedimos aquelas fórmulas que vem com entrada+prato+sobremesa ao preço de 20 dólares cada um. Isso em um restaurante equivalente em SP seria mto mais caro. Pro JL e pra Luiza, minha prima, pedimos um noodle mto do seu gostoso, ao preço de 11 dolares, e ainda sobrou. Foi o mesmo preço da minha lasanha do Olive Garden e tinham opções mais baratas no cardárpio. Vale a pena. Fica em Orlando, no Mall at Millenia. Ah, e tbm é lindo!
3. Red Lobster: eu tava cansadona nesse dia, pedi um linguine com camarão e molho alfredo, que sinceramente, não estava bom. O Leo disse que o dele estava, mas não sei se era o cansaço, mas eu não gostei. Não recomendo. Não voltaria. Tbm é uma rede com vários estabelecimentos.
4. Cheesecake Factory: tbm aparece no The Big Bang Theory, é onde a Penny trabalha. Maravilhoso. Cada cheesecake que é um sonho. Eu sempre disse que os melhores doces que tinha comido tinham sido aqui em Belém mesmo, mas tive que refazer meus conceitos. Bom, bom, bom demais! E a comida tbm é muito boa. Não se parece com a ambientação da série de TV, foi injustiça.
5. Buger King, Taco Bell: não tem em Belém, e sim, a gente come fast food.
6. Carraba´s: Italiano. Juro que pelo nome, não botei a menor fé. Mas o Leo disse que tinha lido coisas boas sobre ele, e, olha, não nos arrependemos. Serviram um pãozinho que deveria ser molhado com um tempero encharcado de azeite no prato que ainda me faz sonhar. Leo pediu um sirloin igualmente perfeito. Pedi uma vitela que estava deliciosa. Vale a pena tbm. Fica em Orlando
7. Brio: Tbm fica no Mall at Millenia em Orlando. Tbm maravilhoso. João Lucas pediu uma lasanha do cardápio kids que estava uma loucura - nesse ponto da viagem já tinhamos percebido que os cardápios kids não tinham lá as opções mais apetitosas, ainda mais pro JL que tem um paladar refinadíssimo. Pedi um risoto que estava muito bom, só estaria melhor se o camarão dos EUA fosse que nem o do Pará. Leo pediu algo que eu não lembro agora, mas estava melhor que o meu risoto. Ei, e a salada de antes? ai, já quero voltar




8. Pubbely: esse foi uma iluminação minha e vimos no yelp já entrando no carro pra sair. Intuição mesmo. É um bar, mas a música é ótima e a comida divina. Pequenino e de locais, não é coisa de turistas, ou que esteja num lugar que pode receber turistas, como um shopping. Melhor coisa da viagem foram as vieiras com molho bourguinon e os dumplings (não sei qual a diferença de dumpling pra guioza, pra mim é a mesma coisa) de porco, num molho que parece de carne assada de casa de avó. Ai, deu água na boca... Em Miami Beach


9. Não comam no mexicano do Epcot. Nunca. A pizza do italiano é muito boa.
(pizza do epcot)
10. Pizza do Andiamo. Enquando eu arrumava a mala, Leo foi buscar. Muito boa, viu? Vale a pena! em Miami
11. La Locanda. Esse nós fomos pq estávamos na frente, parecia bonito, tinha bastante gente e estávamos famintos. É um italiano de italianos mesmo. É mais caro, mas vale a pena só pra ficar ouvindo o garçom-italiano-muito-gato falar com vc - em italiano. Em Miami Beach. Ah, a comida é boa tbm. Mto!
Por enquanto é só. Depois continuo, tenho mtas coisas pra contar da viagem ainda

O que eu esqueci de falar no outro post sobre comida: o carpaccio do Brio é o melhor do mundo e a comida do supermercado Whole Food é perfeita.
Fomos ainda no Versailles, esqueci de dizer pq não foi novidade. Versailles em poucas palavras: antigo, cubano, barato e fartas porções de comida. Todas as vezes que for a Miami, minha visita ao Versailles está garantida. Abaixo, foto do bufe a milanesa, com arroz e feijão e banana frita (esta é do JL, pq não como banana)

Um comentário:

Bianca Bueno disse...

O que rola com o mexicano do Epcot?