domingo, 17 de agosto de 2008

Tal mãe, tal filho


Vcs ja ouviram dizer que praga de mãe pega? Eu comprovei que isso é verdade.


Qdo eu era criança, e tbm durante a adolescência, ouvia minha mãe dizer, já irritada com minhas tolices: "Só quero que tu tenhas uma filha que nem tu. Não quero mais nada, não quero que seja pior, só igual"....Não é que deu certo?


Às vezes eu fico impressionada com a semelhança entre mim e João Lucas. Certas horas parece que eu estou me vendo pequenina. Aliás, nesses momentos eu tenho dificuldade de chamar a atenção dele, me sinto hipócrita de brigar com meu filho por uma coisa que eu fiz igual. Mas como ele - ainda - não sabe disso, eu engulo o orgulho e a sinceridade e vou em frente.


Exemplos: não tem uma vez que eu não mande ele escovar o dentes que eu não precise fazê-lo umas oito vezes antes de surtir efeito. Arrumar o quarto é ainda pior! E tem uma engraçada que é se arrumar pra sair; minha mãe me chamava zilhões de vezes. Chegava o momento em que ela se irritava e dizia "to indo" e eu me aborrecia, e ainda saía reclamando pq ela nem me esperava (que cara de pau, eu era)! Pois bem, João faz o mesmo.

Eu queria que alguém me explicasse como é que essas características de comportamento passam de pais para filhos. Óbvio que tem coisas que as crianças observam e que tem coisas que nós ensinamos, valores que passamos, alguns até sem perceber. Mas tem outras, muito mais intrínsecas que eu não consigo entender e sempre me surpreendo quando vejo João Lucas fazendo a mesma coisa que eu fazia qdo pequena. Juro, pode parecer neurose, mas parece que ele passou a minha infância de anjinho me observando e agora veio me dar uma lição.
A verdade é que a gente só entende nossos pais depois que estamos no lugar deles. Às vezes me controlo para não ser tão igual a minha mãe. Só um parênteses: as várias ordens da minha mãe para eu arrumar o quarto, não me tornaram uma pessoa mais organizada!




2 comentários:

sheyla disse...

Só a gente virando mãe para entender melhor nossas mães! Tem horas que me vejo falando com os meus filhos e percebo que não sou eu...na verdade, é uma versão "ana celística" minha! Incrível!

Elaine Lobato disse...

Paola!!!!!! Meu sonho é ser mãe e poder perceber essas coisas e muitas outras rsrsrs