sábado, 25 de setembro de 2010

Saudades da minha mãe...


Amanhã fazem 10 anos que minha mãe morreu.

Dez anos... Vcs imaginam ficar 10 anos sem mãe? Olhem pra mãe de vcs e imaginem ficar dez anos sem ela, ou imaginem o filho de vcs sem mãe há dez anos.... Não conseguem? Eu, infelizmente, sinto. Sinto isso, todos os dias, há dez anos.

Quando eu perdi minha mãe, eu tinha feito 20 anos. Não sabia de nada, estava recém-saída da adolescência e com um filho de 10 meses. Eu fico frustrada, pq isso me tirou a chance de ser amiga da minha mãe, de ela ver meu filho crescer, de ver os novos netos nascerem, de me ver casar, entrar na igreja, de ficar com os netos para eu sair, de eu cuidar dela na velhice.


Quando ela morreu, a gente não tinha isso.

Pode até ser que nada disso fosse acontecer. De ela ser uma dessas avós que não ficam com os netos e podia ser que a gente nem fosse tão amiga assim. Mas eu queria ter tido essa chance. O destino roubou isso de mim, e nada poderia ser mais injusto

Ah, quanta besteira eu fiz por não ter mãe... Queria ter tido, na fase adulta, aquela pessoa para orientar, para chamar atenção, para dizer que não é desse jeito que faz.... Pq ela fez tudo isso, mas enquanto eu era criança, adolescente, e a realidade era outra, as necessidades eram outras. Quando ela morreu, eu não sabia fazer um monte de coisas. E tive que aprender na marra.

Há dez anos, quando minha mãe morreu, meu filho de dez meses virou tudo pra mim. Vcs imaginam o que é isso? A responsabilidade dele, de ser tudo pra mim? Pq toda mulher, de uma certa maneira tem a maternidade presente na sua vida, ou sendo filha, ou sendo mãe. Naquele 26/10/2000, passou a ser responsabilidade do meu filho toda a minha felicidade. Duro, né? Tenho muita pena dele por isso.

Paradoxalmente, eu não tenho muitas lembranças desses anos que se seguiram, 2000, 2001, 2002. É tudo meio embaralhado na minha memória. Pq meu luto por ela foi tardio. Como ela tava sofrendo muito, eu já pedia que ela partisse. Mas demorou a cair a minha ficha, que ela tinha ido para sempre.

Desde que minha mãe morreu, eu não consigo escutar Ave Maria, não consigo ver filmes que as mães morrem, ou que as pessoas morrem de cancer. Desde que minha mãe morreu, eu sinto meu irmão como meu filho e me sinto incrivelmente sozinha. Internamente sozinha. Pq às vezes vc ta cheio de gente, mas se sente só. Mesmo com meu marido, que eu amo, com meu filho, eu me sinto só.

Eu não tenho a quem pedir para ir na mamografia comigo. Ou qq outro exame... Dividir o medo de ter alguma doença. De saber que, se acontecer alguma coisa com meu filho, ele estará amparado.

Ou coisas fúteis mesmo, de sair para comprar roupas, de dizer que o cabelo tá bonito ou tá feio (nenhuma opinião seria mais sincera), de sair, ver uma coisa, lembrar de mim e trazer pra casa, como vejo que minha sogra faz com minha cunhada e acho isso lindo.

E deixando de ser egoísta, ela tinha muito que viver ainda. Ela morreu com 50 anos só.
Isso tudo me fez amadurecer um tanto que eu não queria ter amadurecido. Trocava toda a maturidade do mundo pela minha mãe
Sabe o que é pior? É que só me resta, agora, esperar o 11° ano.


Em 2000, no batizado do meu filho, com meu pai. Escaneei super bem, como deu para reparar. A primeira foto é de 1987, em Brasília

Em 89, no aniversário do meu irmão.

12 comentários:

Andréa disse...

Nossa Paola,ela era muito lindona.
Super jovem.
Essa doença é maldita mesmo.
Mas não se sinta só,pense que ela está sempre com vc,mesmo que vc não a veja.
Eu tenho minha mãe e tenho sempre que me virar sozinha,pois ela não gosta de compromissos comigo.
Muito de vez em quando ela me liga para saber se está tudo bem,sou eu que sempre telefono,tem sido assim a vida toda.
Entendo sua dor,mas tente deixar isso cada vez mais leve,para que vc consiga ser feliz por completo.
Fico aqui na torcida para que no ano que vem isso tudo doa menos.
Um beijo querida.

CONfeSSo disse...

Ahhh qrida, que lindo texto e que bela demonstração de amor.
Pode ter certeza que de onde sua mãe estiver ela está olhando por você e quando sentir que está extremamente sozinha olhe pro céu e peça a Deus a graça de sentir a presença Dele.
Não sei o que dizer...
Sinta-se abraçada.
Um Beijoo

Sra. Mari disse...

Vontade de te dar um abraço bem apertado agora ... pq apos ler o post, so consegui me emocionar e nao sei bem o que poderia te dizer. Mas .... vendo as fotos o que passou na minha cabeça é que ela te deixou de herança o brilho nos olhos e o sorriso maravilhoso. Super parecidas ! Então apesar da ausencia e da dor, o melhor a ser feito é sorrir e pegar tudo que ela te ensinou e todo o amor e transmitir para seu filho ... pq apesar de tudo a vida continua.

Bjo

Jahm disse...

Nossa,

Não gosto nem de pensar na minha vida sem a minha mãe; deve doer pacas.
Penso que só pq moro em cidade diferente, eu já morro de saudade; imagine ela partindo pra sempre.
Ah nem...muda de assunto!
rsrsrsrsrs

BJahm

P.S.: Já te disse que eu amo o modo como vc escreve?

Narda Rafaela disse...

Paola,
Sei e-xa-ta-men-te como te sentes.
Perdi meu pai quando tinha 12 anos e ele 46... eramos MUITO unidos.
E isso já faz 15 anos.
Entendo perfeitamente a tua dor, em como é imaginar como seria hoje em dia, tendo a companhia dela.
Eu me faço essa pergunta sempre.
No meu aniversario de 24 anos eu tive uma crise... de pensar que 12 anos ja tinham se passado, que eu tinha 12 anos na epoca. E como seria se, naquele momento, eu perdesse o meu pai?
Isso é uma pergunta que vamos nos fazer o resto das nossas vida, uma falta, uma saudade que vamos ter por todos os próximos dias, pra sempre.
O que nos resta é pensar que eles estão bem onde estão. E que estarão para sempre, ao nosso lado, de uma forma ou de outra.
A tua mãe deixou em ti o mesmo sorriso. Acho que já te falei isso.
Acho que ter puxado essa característica dela, não foi à toa.
Com certeza ela quer que sejas feliz, que tenhas motivos pra sorrir e não para lamentar.
Pensa nisso.
Fica bem!
Beijocas

Any disse...

Não há o q te dizer. Mas eu desejo que a dor diminua, e só reste as boas lembranças. Tb desejo q vc tenha uma filha, pra viver ao lado dela, e suprir, de algum jeito, e pelo menos em parte, esses sentimentos q vc hj tem.
Eséro q vc sinta agora o meu abraço, bem apertado, de consolo de uma amiga q não p0ode fazer isso pessoalmente.
Mesmo sem te ver, eu já gosto demais de vc!!
Bjs carinhosos!!

Juh** disse...

Paola minha amiga, eu chorei com seu post, e nem posso imaginar o que é não ter a mãe por perto.
Queria poder te dar um abraço bem apertado, mas se conseguir sinta=se abraçada...
Amo sua vida!
beijos

(Vc é muuuito parecida com sua mãe, exatamente o mesmo sorriso, lindo!)

Suzana Lira disse...

Paola, que linda homenagem vioh me fez chorar de emoção frente à um amor tão puro e lindo vioh

bjo

Janinha disse...

Puxa... dureza hein? Passar por tudo isso deve ter sido uma barra... me emocionei... não sei o que é perder alguém tão próximo e tão cedo. Queria poder te abraçar, pq um abraço pode não parecer nada, mas é uma troca especial, onde podemos dizer, estou com vc. Como não posso, te digo por palavras: estou aqui, com vc. Fique tranquila, ela deve estar bem, onde estiver. Bjs...

Cynthia Barreto disse...

A única coisa que me vem na mente para te dizer é que sinto muito! Não imagino a sua dor, pois ainda não há senti (e nem pretendo). Espero que a dor que você sente vire somente uma saudade, saudade boa, e que você consiga se sentir amparada pelos que estão a sua volta!

Beijos!

Luciana disse...

Ah, Paola... o que te dizer? Nada... nada adianta... nada diminuirá sua saudade! Que mãe linda a sua mãe! Que linda homenagem vc fez! Li cada palavra... me emocionei... e tentei reviver os momentos das fotos! Beijo no coração, cheio de carinho para vc!

Maria disse...

ola paola, tambem perdi minha mae em janeiro :( sinto o mesmo k voce, um vazio, uma angustia:( sinto-me sozinha :( tenho 20 anos!!!
Ela morreu de repente, sem me dizer adeus, sem me dar um beijinho, sem se despedir, sinto tanto a falta dela!
Gostei mt dok voce escreveu, muita força pra voce tudo de bom beijinho